Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

letras de liberdade

Blog com letras minhas e letras das leituras que vou fazendo.

letras de liberdade

Blog com letras minhas e letras das leituras que vou fazendo.

 

Não! Eu não direi adeus,

Não me despedirei dos meus,

Não!

 

Não, não sou realmente capaz,

Nem quero viver esse momento fugaz.

Não quero olhar nos olhos e ver

O que já não mais viverei sem esquecer.

Ah…

Fosse eu dono do tempo e o sentimento

Era capaz de devolver o momento

Feliz de uma noite, triste de um dia

Mas sempre inigualável na magia!

Ah…

Para mim não haverá despedida,

Nada apagará a chama que foi acendida.

Porque a despedida é um ponto final

No lugar de uma virgula divisional…

 

Não! Eu não direi adeus,

Não me despedirei dos meus,

Não… Eu não serei capaz…

 

É por te ter no pensamento

Que eu perduro este momento.

É a sensação da flor, oriunda do teu jardim,

Que povoa o odor de Primavera em mim.

É o teu pensamento, que arrasta pelo rio,

Que a cada momento se desprende do vazio.

És a pressa de chegar, o desejo de conhecer,

A vontade de abalar, a esperança de crescer…

É pela tua descrição, que eu pinto a tela;

Com esta recordação guardo-te na minha cela…

 

Ah…

Como poderei eu, despedir disto tudo?

Não! Eu não direi adeus,

Não me despedirei dos meus…

Nunca…

Só será feita uma despedida

Na viajem em que só há bilhete de ida…

Até lá ficará sempre um até já!

 

É por isto que a ti te dedico, meu amigo,

Este poema que quero ler sempre contigo;

 

3 comentários

Comentar post