Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

letras de liberdade

Blog com letras minhas e letras das leituras que vou fazendo.

letras de liberdade

Blog com letras minhas e letras das leituras que vou fazendo.

 

Há sempre um rio que separa                                                           
Duas margens distantes;                                 
O Tempo que tudo repara
A ponte faz para os amantes!
A União é feita depois do Sim,
Até à morte que chega no fim.

Há sempre um rio que separa
Dois seres que já não o são;
O Mal onde chega, tudo pára...
E o que foi, é e será em vão!
Tudo o que resta é nada
Por falta da razão que foi dada.

Há sempre um rio que separa
Mesmo o que sempre foi unificado;
Há quem nunca mostre a cara,
Humilhado pela sombra do pecado!
À vontade dele estamos subjugados
Se da vida lhe dermos os dados...

 

Há sempre um rio que separa

A Alma perdida do paraíso celeste
Como a brisa que balança a verde vara
Como um povo atacado pela peste!
Não há pureza real nem total,
Existe sempre uma porção de mal!

Há sempre um rio que une
Da nascente até à fonte;
Da desgraça está ele imune,
Não há mal que passe pela ponte!
A água de um rio segue o seu rumo,
Não se pode evitar, não há como...

 

 

1 comentário

Comentar post